14 de maio de 2012

A origem do mangá




Com certeza a maioria dos leitores do blog sabe o que é mangá e como lê-lo. Mas sabem sobre a sua origem?

Pra quem não conhece vamos do começo. O que é mangá?


Mangá é o nome dado às histórias em quadrinhos de origem japonesa. A palavra surgiu da junção de outros dois vocábulos: man, que significa involuntário, e , imagem.

Os mangás se diferenciam das HQ's ocidentais não só pela sua origem, mas também por seus traços próprios. A ordem de Leitura também é diferente dos mangás também é diferente do habitual do ocidente, começando por onde seria o fim da historia, começando de cima para baixo e da direita para esquerda


Outra característica dos mangas é que eles são todos feitos em preto e branco e em papel jornal, o que torna o produto mais barato e faz com que ele seja consumido por todo tipo de pessoa – no Japão eles são lidos por crianças, estudantes, executivos, donas-de-casa..., ou seja, são diversão garantida para todas as classes sociais e idades. Com seus monstros, heróis, dragões, fadas, etc.. Tudo que a imaginação dos mangakás (nome dado aos autores de mangás) mandarem.



Mas vamos ao tema dessa matéria, sua origem.



As raízes dos mangas datam do período Nara (século VII D.C.), com o surgimento dos primeiros rolos de pinturas japonesas, os emakimono. Pinturas e textos que contavam uma historia à medida que eram desenrolados.

No período Edo, quando os livros são substituídos por livros, o desenhos eram inicialmente destinado a ilustração de romances e poesias. Os mangás não tinham sai atual forma, ela surgiu apenas no inicio do século xx sob a influencia de revistas comerciais ocidentais, principalmente as dos EUA e da Europa.

Sob ocupação americana após a Segunda Guerra Mundial, os mangakas, como os desenhistas são conhecidos, sofrem grande influência das histórias em quadrinhos ocidentais da época, traduzidas e difundidas em grande quantidade na imprensa

É então que um artista influenciado por Walt Disney e Max Fleischer revoluciona esta forma de expressão e dá vida ao mangá moderno: Osamu Tezuka. As características faciais semelhantes às dos desenhos de Disney e Fleischer, onde olhos (sobretudo Betty Boop), boca, sobrancelhas e nariz são desenhados de maneira bastante exagerada para aumentar a expressividade dos personagens tornaram sua produção possível. É ele quem introduz os movimentos nas histórias através de efeitos gráficos, como linhas que dão a impressão de velocidade ou onomatopeias que se integram com a arte, destacando todas as ações que comportassem movimento, Às histórias ficaram mais longas e começaram a ser divididas em capítulos.

Atualmente

Os mangás são publicados no Japão originalmente em revistas antológicas impressas em papel-jornal parecidas com listas telefônicas. Essas revistas com cerca de 300 a 800 páginas são publicadas em periodicidades diversas que vão da semana ao trimestre. Elas trazem capítulos de várias séries diferentes. Cada capítulo normalmente tem entre dez e 40 páginas. Assim que atingem um número de páginas em torno de 160 á 200, é publicado um volume encadernado, chamado tankohon ou Tankōbon, no formato de bolso, que então contém apenas histórias de uma série. Esses volumes são os vendidos em diversos países dependendo do sucesso alcançado por uma série, ela pode ser reeditada em formato bunkoubon ou bunkouban (mais compacto com maior número de páginas) e wideban (melhor papel e formato um pouco maior que o de bolso).

Uma das revistas mais famosas é a Shonen Jump da editora Shueisha. Ela publicou clássicos como Dragon Ball, Saint Seiya (ou Cavaleiros do Zodíaco), Yu Yu Hakusho e continua publicando outra séries conhecidas como Hunter x Hunter, Naruto, One Piece, Bleach e Death Note. Existem também outras revistas como a Champion Red mensal (Akita Shoten), que publica Saint Seiya Episode G (Cavaleiros do Zodíaco Episódio G), a Shonen Sunday semanal (Shogakukan), que publicava InuYasha, e a Afternoon mensal (Kodansha). Entre outras, podem-se citar também a Nakayoshi (Kodansha), revista de shoujo famosa que publicou entre outros Bishoujo Senshi Sailor Moon e Sakura Card Captors, e a Hana to Yume (Hakusensha) que publica Hana Kimi e Fruits Basket.


Há também os fanzines e dōjinshis que são revistas feitas por autores independentes sem nenhum vínculo com grandes empresas. Algumas dessas revistas criam histórias inéditas e originais utilizando os personagens de outra ou podem dar continuidade a alguma série famosa. Esse tipo de produto pode ser encontrado normalmente em eventos de cultura japonesa e na internet.

Os mangás são comumente classificados de acordo com seu público-alvo.

Histórias onde o público alvo são meninos — o que não quer dizer que garotas não devam lê-los — são chamados de shounen (garoto jovem, adolescente, em japonês) como One Piece, Naruto, Bleach etc. e tratam normalmente de histórias de ação, amizade e aventura.

Histórias que atualmente visam meninas são chamadas de shoujo (garota jovem em japonês) e têm como característica marcante as sensações e sensibilidade da personagem e do meio (também existem garotos que lêem shoujo.) como Nana.

Além desses, existe o gekigá, que é uma corrente mais realista voltada ao público adulto (não necessariamente são pornográficos ou eróticos) como, por exemplo, Vagabond e ainda os gêneros seinen para homens jovens e josei para mulheres. Os traços típicos encontrados nas histórias cômicas (olhos grandes, expressões caricatas) não são encontrados nessa última corrente.

Existem também os pornográficos, apelidados hentai. As histórias Yuri abordam a relação homossexual feminina e o yaoi (ou Boys Love) trata da relação amorosa entre dois homens, mas ambos não possuem necessariamente cenas de sexo explícito.

Os edumangás que são mangás didáticos voltados para o ensino de diversas matérias.


Agora é só escolher seu  gênero preferido e, Boa Leitura!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário